Canal TV da Rádio Gospel Da Covilhã Portugal

Player da Radio

terça-feira, 6 de março de 2012

A NOSSA COMUNHÃO COM DEUS


                        A NOSSA COMUNHÃO COM DEUS
A comunhão cristã tem dois sentidos com as suas respectivas implicações: “sim, o que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos, para que vós também tenhais comunhão connosco; e a nossa comunhão é com o Pai, e com seu Filho Jesus Cristo.”(IJo 1:3) O sentido vertical – comunhão com a Trindade Divina: com o Pai, com o Filho e com o Espírito Santo.
O sentido horizontal – comunhão com o povo de Deus, isto é, uns com os outros, como Igreja.


 A COMUNHÃO COM O PAI

 Diz respeito ao relacionamento com Deus, como nosso Pai celestial, e nós, como Seus filhos.

A RECONCILIAÇÃO, UM DOS ASPECTOS DA EXPIAÇÃO DE CRISTO TORNOU POSSÍVEL A NOSSA COMUNHÃO COM DEUS:   "Porque se nós, quando éramos inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida. E não somente isso, mas também nos gloriamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, pelo qual agora temos recebido a reconciliação.” (Rm 5:10-11)

 Éramos inimigos. Estávamos alienados (separados). Fomos reconciliados.
Recebemos a reconciliação, isto é, o Pai tomou a iniciativa de nos reconciliar com Ele por meio de Cristo (expiação). “Mas todas as coisas provêm de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Cristo, e nos confiou o ministério da reconciliação;” (IICo 5:18)

 A nossa inimizade para com Deus, o que nos impedia de ter comunhão com Ele, foi morta ou anulada pela cruz de Cristo, “e pela cruz reconciliar ambos com Deus em um só corpo, tendo por ela matado a inimizade;” (Ef 2:16).

 As nossas obras más tornavam-nos estranhos e inimigos, impedindo-nos de ter comunhão com Deus, mas fomos reconciliados. “A vós também, que outrora éreis estranhos, e inimigos no entendimento pelas vossas obras más, agora contudo vos reconciliou no corpo da sua carne, pela morte, a fim de perante ele vos apresentar santos, sem defeito e irrepreensíveis” (Cl 1:21-22).

 AGORA A NOSSA COMUNHÃO COM O PAI É VERDADEIRA E COMPLETA
Podemos ter uma comunhão íntima que nos vem pelo emprego da palavra “Aba” – a expressão de intimidade filial com o Pai. “Porque não recebestes o espírito de escravidão, para outra vez estardes com temor, mas recebestes o espírito de adopção, pelo qual clamamos: Aba, Pai!”(Rm 8:15).

 Esta comunhão com o Pai (ou acesso ao Pai) tem a ver com três factores muito importantes: “porque por ele ambos temos acesso ao Pai em um mesmo Espírito.” (Ef 2:18)

 Primeiro, a obra expiatória de Cristo (por Ele) realizada por nós, que incluiu a Sua morte no Calvário, permitiu a comunhão.
Segundo, a mediação de Cristo (por Ele) ressurrecto e exaltado, junto do Pai, torna a comunhão do crente com o Pai efectiva: “Porque não temos um sumo-sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado. Cheguemo-nos, pois, confiadamente ao trono da graça, para que recebamos misericórdia e achemos graça, a fim de sermos socorridos no momento oportuno.” (Hb 4:15-16)

 Terceiro, a presença do Espírito Santo (mesmo Espírito), em nós, torna a comunhão efectiva do Pai com o crente: “Do mesmo modo também o Espírito nos ajuda na fraqueza; porque não sabemos o que havemos de pedir como convém, mas o Espírito mesmo intercede por nós com gemidos inexprimíveis.” (Rm 8:26)
 ESTA COMUNHÃO PROCESSA-SE DE DUAS MANEIRAS
Primeiro, pela presença de Deus em nós, através do seu Espírito: “Respondeu-lhe Jesus: Se alguém me amar, guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viremos a ele, e faremos nele morada.” (Jo 14:23); “no qual também vós juntamente sois edificados para morada de Deus no Espírito.” (Ef 2:22); “Nisto conhecemos que permanecemos nele, e ele em nós: por ele nos ter dado do seu Espírito.” (IJo 4:13)

 Segundo, pela nossa oração: A oração é uma forma de comunhão dialogante com Deus. Através da oração falamos com Deus e Deus fala connosco.

 A COMUNHÃO COM O PAI TEM DOIS ASPECTOS

 É uma expressão ou confirmação da nossa vida espiritual.
É uma condição “sine qua non” para termos vida espiritual.

 NÃO PERCA A SUA COMUNHÃO COM DEUS, MAS IMPLEMENTE-A DIA-A-DIA!
                                                                  

Sem comentários:

Enviar um comentário

TESTEMUNHOS